FANDOM


Dovtiz é uma cidade-reino de anões situada na Cordinheira de Ryggraden, parte central da Espinha do Dragão e fronteira com a região de Göbeck ("Reinos Queimados"). A cachoeira que nasce nas portas de Dovtiz é a primeira grande queda, e possivelmente a nascente, do Rio Kizil, também conhecido como "Rio Vermelho".

Descrição Edit

Dovtiz é uma das maiores e mais importantes cidades-reino em todo o Continente Eukin, pois é muito rica na produção de metais maleáveis de grande qualidade e gemas de tamanhos absurdos. Destaca-se também pelo seu excepcional sistema de canalização de água, que utiliza galerias esculpidas nas pedras, tubos, válvulas, correntes e rodas segmentadas para controlar o direcionamento, a pressão, o represamento e a velocidade de circulação da água em toda a cidade. O sistema atende de forma muito eficaz várias necessidades da comunidade que vive no subsolo, tais como a mineração, a perfuração de novas galerias, o transporte de cargas, controle de elevadores, cuidados sanitários e até segurança.

A entrada externa foi construída junto à queda d'agua de uma enorme cachoeira que se estende por um largo paredão de pedra. O único acesso ao portão principal é por uma estrada propositadamente estreita, escorregadia e intercalada com pontes levadiças. De longe, é possível ver uma gigantesca roda d'agua apoiada na pedra. Esta roda, impulsionada com a força da água, atua como um moinho a beira de um rio vertical, dando movimento e tração a inúmeras correntes e escotilhas que se espalham pela cidade como uma rede auto-motiva, complexamente engenhosa.

Por dentro, Dovtiz é ainda mais impressionante. A área que abriga a maior parte da população foi construída no entorno de uma grande caverna, ou galeria, com um lago profundo ao centro e uma pequena fenda no teto. Circulando o lago, os anões esculpiram inúmeros cômodos e corredores, de diferentes tamanhos e utilidades, formando uma grande colmeia, ou formigueiro, de pedra, metal e madeira. As residências se misturam com tabernas, oficinas, cozinhas, armazéns, escadas e inúmeros corredores que se aprofundam para o interior da montanha. Suas principais construções são: o Pavilhão do Trono, as Catacumbas, as Grandes Fornalhas, a Câmara de Controle de Válvulas e o Arsenal.

Além da cidadela, os domínios de Dovtiz se estendem cordilheira adentro por incontáveis túneis e escavações; estes que também se mistruam às antigas, e às novas, estradas subterrâneas. Existem ainda algumas pequenas comunidades de anões-montanheses que vivem na superfície da montanha e se mantém fieis aos chefes de Dovtiz.

RESUMO Edit

  • População: 58.750 anões residentes no subterrâneo (estimado)
  • Status Político: Cidade-Reino de Anões
  • Sistema de Governo: Patriarcado Hereditário
  • Atual Governante: Rei, ou Patriarca, Amïr AltinTaç
  • Status Econômico: Rico
  • Língua oficial: Anão tradicional com dialetos locais
  • Principais Recursos Econômicos: Mineração de metais maleáveis, ouro, cobre, gemas e pedras preciosas. Fabricação de armas, armaduras e ferramentas.
  • Abertura Econômica: extremamente reclusos*
  • Alianças Militares: não possuem*

(*) Obs.: Tendência a se aliarem a outras cidades-reino subterrâneas da Espinha do Dragão.

Sociedade e Costumes Edit

Dovtiz é exclusivamente uma sociedade de Anões. Com raras concessões para residência ou visita de pessoas de outras raças. Possuem uma preferência declarada para estabelecer relações comerciais e políticas somente com outras cidades-reino de anões da Espinha do Dragão, mas, de tempos em tempos, aceitam comércio e escambo com outras comunidades do continente.

A cidade-reino é governada há mais de cinco séculos pela dinastia AltınTaç, sendo o rei Amïr AltinTaç o quinto patriarca da sua linhagem. Seu reinado já dura 106 anos e o próximo rei, ou patriarca, na linha de sucessão é seu filho, o príncipe Umar AlinTaç, um destemido e respeitado guerreiro. Rei Amïr teve ainda outros oito filhos: A-thain, Magruk, Thralgi, Rukkhaz, Dwa, Mulin, Farrin e Finnr.

A sociedade dos anões de Dovtiz segue uma organização muito similar às outras comunidades da Espinha do Dragão. O Rei, ou Patriarca, é a autoridade suprema do reino e legisla sobre diversas demandas do cotidiano da comunidade. Além de presidir julgamentos é responsável por nomear os Chefes de Ofício. Ser um chefe de ofício é uma grande honra para um Anão e as famílias disputam esses cargos com muito afinco. Os ofícios são diversos, tais como chefiar uma área de mineração, fundições ou oficinas, o treinamento de guerreiros, a construção e manutenção de estruturas, os postos de defesa, expedições nas estradas profundas, missões comerciais, controle de estoques, realização de rituais, enfim. Ter um parente Chefe de Ofício é muito importante para uma família, pois, além de acumular prestígio e status social, é uma forma de acumular recursos melhores na partilha dos bens. O cargos de ofício não são exatamente títulos de nobreza, como acontece nas comunidades humanas, mas conferem um status parecido, apesar de não serem hereditários nem vitalícios.

História Edit

Antes dos anões iniciarem seus trabalhos de assentamento, esta caverna foi, provavelmente, esculpida naturalmente pela própria água que flui das entranhas da montanha até a boca da cachoeira. Por esse motivo, os primeiros anões que ali chegaram deram a esta caverna o nome de Bol Dŵr, que, na língua dos anões, significa Barriga D'Água. Um nome apropriado para a época, pois, pelas lendas, Ryggraden seria justamente a "barriga" ou "o meio" da "espinha do dragão".

Foi Emïr AltinTaç, o primeiro rei da Dinastia AltinTaç, quem ordenou a mudança do nome da cidadela esculpida na caverna para "Dovtiz", que é um nome próprio na língua dos anões e sem significado claro. O rei esperava que o nome passasse a ser associado a controle do fogo, pois foi sob o seu reinado que os anões concluíram a construção de suas primeiras grandes fornalhas. A partir do controle do fogo e das caldeiras, os anões de Dovtiz dominaram também a arte de modelar metais e, assim, foi possível aprimorar seus processos de fabricação de armas, armaduras, instrumentos e adornos, e, também, construir as estruturas necessárias para aprofundamento das escavações. Infelizmente, seu reinado foi curto, durando apenas 89 anos.

Seu filho, Femir AltinTaç, o segundo patriarca, ficou marcado na história por dois grandes momentos. O primeiro ficou conhecido como o Pacto de Ferro, quando os anões da Espinha do Dragão, liderados por Dovtiz, decidiram abrir comércio com as tribos humanas de Gobek. Esse episódio impulsionou o desenvolvimento das comunidades humanas da região, que saíram da Era da Madeira e entraram na Era do Ferro; isto é, com o acesso aos novos recursos e instrumentos, deixaram de ser pequenas comunidades tribais isoladas e passaram a conquistar o território estabelecendo grandes cidades e até reinos. Seu segundo grande feito a elaboração do sistema de controle da água, mas faleceu com a alcunha de "visionário" pois não chegou a ver o projeto iniciado. Seu reinado durou 128 anos.

O Terceiro patriarca, Fam-Ar AltinTaç, foi um regente obstinado em realizar o projeto de seu pai. Para adequação do sistema adotou medidas que proporcionaram grandes mudanças na estrutura e na organização da cidade e iniciou uma modernização que levou a cidadela a ser o que é hoje. Mas Fam-Ar também foi responsável por colocar um ponto final em outro grande sonho de seu pai: a abertura comercial com os humanos. Depois de 160 anos de pacto e intenso comércio, os reis anões, estarrecidos com a ganância e as atrocidades cometidas pelo Rei Bobernik, o usurpador incendiário, decidiram fechar seus portões para os humanos e observar do alto, e de longe, a fumaça das cidades e reinos que ardiam em chamas. Seu reinado durou 145 anos.

Untar AltinTaç, o quarto patriarca, ficou conhecido como o "introspectivo", pois suas medidas priorizavam a exploração dos interiores das montanhas e os isolaram cada vez mais da superfície. Seu reinado durou 113 anos e também ficou marcado pelos constantes aborrecimentos com criaturas abomináveis das profundezas da terra, principalmente os Drows.

Amir AltinTaç, quinto e atual patriarca, representa uma nova era para o povo de Dovtiz. Uma de suas principais medidas foi a reabertura parcial das relações com os povos da superfície e uma revitalização das estradas que ligam as Cidades-Reinos do Subterrâneo. Com a alcunha de "o consiliador", seu reinado já dura cerca de 79 anos e tudo indica que será um longo e próspero reinado.

Grande Jornada do Princípe Umar AltınTaç, Edit

Quando Umar AltinTaç completou 60 anos, o jovem Príncipe anão decidiu homenagear o reinado de seu pai realizando uma grande jornada pelos subterrâneos da Espinha do Dragão. Sua meta foi viajar de Dovtiz até Valterra passando por todas as Cidades-Reinos no caminho e, também, se aventurando em antigos mistérios e ruínas guardados pelas montanhas. A missão tinha dois objetivos: o primeiro era diplomático, pois marcou uma nova época de relacionamento e aproximação entre as comunidades de anões do subterrâneo; ao levar o escudo da casa AltinTaç a tantas cidades, príncipe Umar fortaleceu o prestígio e a boa fé do povo de Dovtiz. O segundo era estratégico; com a expedição foi possível desvendar e mapear diversos segredos desta parte da Espinha do Dragão, tais como novos pontos de mineração e assentamento, antigas relíquias, novos trajetos, pontos de acesso a superfície, dentre outros. Um verdadeiro tesouro para os planos do rei e do futuro rei de Dovtiz.

A Grande Jornada contava com vinte bravos anões e uma particularidade, a companhia de um também jovem, porém pesquisador e cartógrafo halfling, chamado Pepwin Roads. Não se sabe ao certo como este halfling conquistou a confiança dos anões para residir em Dovtiz e, principalmente, como ele convenceu o Príncipe Umar e o rei Amir a participar da expedição, uma oportunidade de grande honra e muito disputada entre as famílias e Dovtiz. Alguns acreditam que a ideia da grande jornada foi inspirada, ou influenciada, em outra experiência de Pepwin Roads, uma longa viagem de Daha a Massawa, passando por Asaguida, Ranjari e Crveni Savez. Relatos dessa aventura no subterrâneo foram registrados por Pepwin no fascículo de um livro de anotações - poucas vezes copiado e raro de encontrar - sobre a Espinha do Dragão. Porém, o livro em sí não revela praticamente nenhuma informação inédita, ou esclarecedora, sobre os subterrâneos. Resume-se a rascunhos, notas mentais e reflexões sobre formações rochosas.

Dos vinte anões e um halfing que partiram de Dovtiz, três anões não regressaram. Seus escudos estão dispostos em um monumento que narra a Grande Jornada do Príncipe Umar AltinTaç.

Ad blocker interference detected!


Wikia is a free-to-use site that makes money from advertising. We have a modified experience for viewers using ad blockers

Wikia is not accessible if you’ve made further modifications. Remove the custom ad blocker rule(s) and the page will load as expected.